Casos de gastroenterite aumentam fluxo de pacientes nos centros pediátricos em Passo Fundo

Centro de Vigilância em Saúde emitiu alerta sobre a ocorrência de surtos de doença diarreica aguda

Por
· 2 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Com 20 a 30 novos pacientes por dia, os casos de gastroenterite respondem por um aumento no fluxo de consultas nas alas pediátricas em Passo Fundo. Na última sexta-feira (8), o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) emitiu um alerta sobre a ocorrência de surtos de doença diarreica aguda em 25 municípios gaúchos, identificados desde o final de agosto, entre eles, em cidades próximas como Sarandi, Barra Funda e Nova Prata. 

Em nove dessas localidades, detalha o boletim epidemiológico, foi identificada a presença do norovírus como a causa desses casos de doenças gastrointestinais, que está possivelmente associado à ingestão de água, mas também pode ser transmitido por alimentos ou de pessoa para pessoa, conforme explicou a gastroenterologista pediátrica do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), Stefânia Simon Sostruznik. “A transmissão acontece por mãos, fezes contaminadas e passa facilmente em um curto período de incubação e contágios”, mencionou a médica. “Em razão da pandemia, as crianças acabaram ficando mais em casa e isso mexeu com os fatores imunológicos. Agora que elas estão retornando para a escola, estão trocando entre elas os vírus e bactérias”, observou.

Embora sejam os pequenos pacientes os mais vulneráveis ao contágio, Stefânia ponderou que núcleos familiares inteiros têm apresentado os sintomas. “Aumentou muito o número de atendimento. Eles chegam com febre alta, vômito e, em muitos casos, desidratados”, relatou a gastroenterologista pediátrica ao ressaltar a necessidade de cuidado com a hidratação e nutrição das crianças.

Surto

Mesmo com essa expansão nos prontuários nas unidades hospitalares, a médica do HSVP afirma “ser muito precoce” para determinar que o município esteja afrontando um surto da doença. “Não temos a notificação, mas estamos nos encaminhando para”, frisou Stefânia.

Com mais de dois mil reportes enviados ao Centro Estadual de Vigilância em Saúde, as medidas de investigação e controle estão sendo realizadas pelos respectivos municípios, de acordo com o boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES). “O agente norovírus foi identificado como causador do surto em 9 cidades e a investigação está em andamento para determinar a causa nos outros 16 municípios e tomar as providências cabíveis”, destaca o texto que traz, ainda, uma série de orientações à população e aos centros educacionais.

A principal delas é a instrução sobre o consumo de água somente de fontes seguras e tratadas, que tenham processo de desinfecção por cloro ou outra tecnologia. “Esses tipos de ocorrências reforçam essas medidas preventivas em relação a água, que devem ocorrer de forma permanente por toda população, independentemente da ocorrência ou não desses surtos”, comentou a especialista em saúde do núcleo de Doenças de Transmissão Hídricas e Alimentares do Cevs, Lilian Borges Teixeira, em um comunicado de imprensa.

As amostras clínicas de pessoas com sintomas são encaminhadas para o Laboratório Central do Estado (Lacen) em Porto Alegre. Segundo a SES, também já foram coletadas amostras de água em alguns desses municípios, que aguardam resultado da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

Gostou? Compartilhe