Hospitais de Passo Fundo recebem mais de R$ 13 milhões do governo estadual

Novos repasses contemplam quatro centros de saúde locais

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Quatro hospitais filantrópicos de Passo Fundo devem receber, no total, mais de R$ 13 milhões de reais provenientes de recursos estaduais. A tabela com os novos repasses monetários foi publicada na quinta-feira (17), data do anúncio da destinação do dinheiro feito pelo governador, Eduardo Leite (PSDB), em transmissão via internet.

A videoconferência também marcou a assinatura dos convênios para a liberação dos recursos, com a participação de 65 instituições hospitalares que receberam a verba ainda na quarta-feira (17), somando R$ 36,6 milhões. Outros 54 hospitais receberam R$ 35,8 milhões na segunda-feira (15). Os 39 hospitais restantes ainda estão com o convênio em tramitação na Secretaria Estadual de Saúde (SES), cujos valores somam mais R$ 20,5 milhões.

Em quatro parcelas, o Hospital de Clínicas de Passo Fundo (HC) foi contemplado com valores superiores a R$ 5 milhões de reais; enquanto o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) recebeu mais de R$ 8 milhões como reforço de caixa para combate à pandemia do coronavírus. O Hospital de Olhos Lions, embora preste exclusivamente consultas oftalmológicas, deve receber R$ 114,4 mil reais dos cofres públicos gaúchos. 

A verba, segundo a secretaria estadual de Saúde, poderá ser aplicada na compra de medicamentos, suprimentos, insumos, produtos e equipamentos hospitalares. Também pode ser utilizada em pequenas reformas e adaptações para aumento da oferta de leitos de terapia intensiva e na contratação e no pagamento dos profissionais de saúde necessários para atender a demanda adicional.

Os critérios de distribuição emergencial desta segunda parcela foram os dados epidemiológicos do avanço da doença, o número de leitos de cada hospital filantrópico que atende por meio do SUS e os valores da produção dos serviços ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade realizados no ano passado. Também foram incluídos hospitais que haviam ficado de fora da primeira parcela.

Gostou? Compartilhe