MÚSICA: Sessenta Alegre(s) anos!

Em entrevista, passo-fundense Alegre Corrêa relembra décadas de dedicação à música e a trajetória que o levou ao sucesso internacional - Por: Eugênio Matheus Siqueira, acadêmico de Jornalismo UPF, integrante do projeto Música Autoral

Por
· 3 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Será que existe a fonte da juventude? Se existe, tem um passo-fundense que sabe onde ela fica: Alegre Corrêa. Ao completar 60 anos, no último dia 9 de junho, o músico mundialmente reconhecido mostra que o real segredo da jovialidade é o trabalho e a energia que sua música emite. 

Autodidata, Alegre Corrêa e a música andam juntos desde cedo. Suas lembranças mais antigas estão conectadas a canções da infância. Talvez tenha sido a influência do pai, que também era músico, dos amigos na Vila Cruzeiro, onde aprenderam a tocar e compartilhavam de um único violão, ou das horas colado ao rádio, ouvindo grandes nomes da MPB, como Tim Maia, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Milton Nascimento. “A música estava em todo lugar. Na escola, na igreja, no encontro com os amigos. Então eu comecei a me identificar com isso. Senti que eu tinha uma facilidade para aprender sozinho, para entender os ritmos. Chegava da escola e ficava cantando as músicas que tocavam no rádio”, conta o artista.

A amizade e a música sempre andaram juntas na vida de Alegre Corrêa. Nos idos dos anos 70, foram as duas que juntaram vários jovens. Em encontros informais, no cruzamento das ruas Coronel Pelegrini e Plácido de Castro, junto ao estabelecimento que deu nome ao grupo: “Turma da Esquina do Perfume”. Pouco depois, aos 13 anos de idade, Alegre começou a tocar profissionalmente. Os bailes e bares de Passo Fundo testemunharam os primeiros acordes, virtuosos e inquietos. Logo, alçou voo. Florianópolis, Porto Alegre, Europa. Após um período inicial na carreira em que explorou a mistura entre jazz, MPB, pop e folclore gaúcho, Alegre tornou-se mestre em transformar os elementos da música brasileira em linguagem universal, de maneira enérgica e emocionante. Experimental, bem ao seu estilo. 

Além da turma da Esquina do Perfume (Ita Arnold, Ronaldo Saggiorato, Raul Boeira e tantos outros), Alegre lembra  deoutras grandes parcerias: Guinha Ramires, Bebê Kramer, Paulinho Fagundes e Gabriel Grossi. Durante a carreira, Alegre acompanhou o nativista Luiz Carlos Borges nos anos 1980, lançou disco com Hermeto Pascoal, tocou em festivais prestigiados como o de Chicago e Montreux, na Suíça. Em Viena, dividiu o palco com João Gilberto. “As parcerias que tive fazem uma salada maluca. E eu degusto desta salada o tempo todo. O verdadeiro artista se inspira muito nas coisas ao seu redor, na natureza, na rotina, nas pessoas. Então, logicamente acabamos levando um pouquinho de cada um que passa na nossa vida. Tudo que acontece na vida do artista é refletido diretamente na sua arte”. 

Na Europa, Alegre Corrêa foi o primeiro (e único!) músico brasileiro a integrar a Vienna Art Orchestra (VAO). Em 2005, passou a integrar o The Zawinul Syndicate, o grupo do lendário músico Joe Zawinul, que foi membro da banda de Miles Davis nos anos 1970 e do grupo Weather Report. Em 2010 recebeu o maior prêmio da música mundial: o GRAMMY AWARDS, como guitarrista do disco 75, de Joe Zawinul & The Zawinul Syndicate, na categoria Melhor Álbum de Jazz Contemporâneo.

Dezenas de álbuns e parcerias depois, essa trajetória pode impressionar e encantar. Mas é forjada com muito trabalho e dedicação. Alegre Corrêa define a música como uma missão. Uma arte cientificamente complexa, que exige muito trabalho e estudo do artista. Técnica e humana. Racional e emocional. “É a ciência das notas e da técnica que mexem com emoções e sentimentos. De quem toca e de quem ouve. Se o músico tem o dom, é ótimo. Mas só o dom não basta. Tem que ter esforço, dedicação, aperfeiçoamento e emoção”, descreve.

Como definir a música de Alegre Corrêa? Talvez Brasil seja a palavra mais próxima: mistura, improvisação, energia, emoção. Como falamos sobre música, não devemos nos ater a rótulos. Música e Alegre Corrêa não são definitivos. São sem fronteiras.

Live de aniversário

Para celebrar o aniversário de 60 anos, Alegre Corrêa conta que pretende organizar um grande encontro online, através de uma live com a participação de músicos com quem, em algum momento, dividiu emoções. A ideia inicial era que a transmissão acontecesse na data do aniversário, na última semana. No entanto, problemas técnicos inviabilizaram a live. Por isso, uma nova data está sendo planejada. Se você ficou interessado, basta acompanhar as redes sociais de Alegre, por onde, em breve, deve ser anunciado um bate-papo virtual, com trilha sonora de luxo, celebrando a vida do músico.

Gostou? Compartilhe