Baixas temperaturas beneficiam as lavouras de trigo

De acordo com especialista, dias frios ajudam a reduzir a incidência de doenças durante a fase de desenvolvimento vegetativo da cultura

Por
· 2 min de leitura
O frio intenso ocorre no momento certo para as lavouras de inverno (Foto: Marcela Buzatto/Emater)O frio intenso ocorre no momento certo para as lavouras de inverno (Foto: Marcela Buzatto/Emater)
O frio intenso ocorre no momento certo para as lavouras de inverno (Foto: Marcela Buzatto/Emater)
Você prefere ouvir essa matéria?

Os dias de frio intenso que vêm sendo registrados em todo o Rio Grande do Sul chegam no momento correto para as lavouras de inverno. Na região de Passo Fundo, as baixas temperaturas são especialmente ideais para a triticultura. Isto porque, de acordo com o Escritório Regional de Passo Fundo da Emater/RS, o plantio do trigo nos 42 municípios que integram a área de abrangência da unidade já é considerado totalmente concluído e a cultura passa agora pela fase inicial do desenvolvimento vegetativo. “Nesta etapa, o frio não causa prejuízos para o trigo. Pelo contrário, as temperaturas mais baixas são importantes na fase inicial porque favorecem o afilhamento e ajudam a reduzir a incidência de doenças”, explica o engenheiro agrônomo e gerente regional da Emater, Oriberto Adami.

O cenário seria diferente caso as gélidas temperaturas acontecessem durante o mês de setembro — período que coincide com o momento de espigamento e emborrachamento do trigo, quando o grão é mais sensível aos danos causados por chuvas excessivas, ventos intensos e geadas tardias. “Para conseguirmos produtividade e produção com qualidade, nos próximos ciclos, é importante que não aconteçam geadas durante a fase mais crítica da cultura e que chova regularmente, mas não em excesso”, ressalta o especialista.

A boa notícia para os agricultores é que, de acordo com o pesquisador e agrometeorologista da Embrapa Trigo, Gilberto Cunha, os prognósticos indicam a probabilidade de clima favorável para todas as culturas de inverno semeadas no Estado. “O que se projeta é uma primavera não tão úmida. Isso tende a favorecer a qualidade dos grãos colhidos”, adianta. Ele também destaca que a expectativa é positiva não somente para a triticultura, mas também para outros grãos de inverno comuns na região, como a aveia, a cevada e o triticale.

Safra recorde

Caso a previsão favorável às lavouras de inverno se confirme, o Rio Grande do Sul poderá registrar a maior produção de culturas de inverno dos últimos anos, chegando a 3,7 milhões de toneladas de trigo, cevada, canola e aveia, que estão sendo cultivados em 1,49 milhão de hectares. A estimativa, calculada pela Emater, representa um aumento de 10,8% em área e de 32,5% em produção, comparado à safra do ano passado. “A expectativa é de termos a maior safra já colhida em termos de grãos, quiçá a melhor safra da história”, projetou o diretor técnico da instituição, Alencar Rugeri, durante uma entrevista coletiva para apresentação do levantamento no último mês.

Somente na cultura do trigo, principal produto da estação, a produção deve atingir 2,89 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 37,81% em relação ao ano passado, quando o Estado colheu de 2,1 milhões de toneladas de trigo. Cultivado numa área de 1,08 milhão hectares, 13,29% a mais do que na safra passada, que foi de 953,8 mil hectares, o grão apresenta tendência de produtividade média de 2,6 toneladas por hectare, 21,6% a mais do que a média da safra anterior, que foi de 2,2.

O crescimento na área de cultivo do trigo em território gaúcho aconteceu de maneira expressiva, inclusive, na região de Passo Fundo. De acordo com o levantamento da Emater, a área de trigo plantada na região aumentou mais de 40% em apenas um ano, passando de 64 mil hectares em 2020 para 90 mil hectares em 2021. Para o gerente regional da Emater em Passo Fundo, Oriberto Adami, a alta no preço do trigo é um dos principais motivos pelo qual a área de plantio da cultura aumentou neste ano. “Nós estamos em um patamar de R$ 70 a R$ 75 reais a saca do trigo. É um preço muito bom para o produto, então, para quem estava procurando uma fonte de renda a mais, com boa rentabilidade e ainda com o benefício de cobertura do solo, o trigo se tornou uma ótima escolha”. 

Gostou? Compartilhe