MEDICINA & SAÚDE - Saúde bucal e a relação com a saúde geral

É imprescindível manter uma excelente higienização dos dentes

Por
· 2 min de leitura
É imprescindível manter uma excelente higienização dos dentes com escova adequada após as principais refeições (Foto: Torli Roberts/FreeImages)É imprescindível manter uma excelente higienização dos dentes com escova adequada após as principais refeições (Foto: Torli Roberts/FreeImages)
É imprescindível manter uma excelente higienização dos dentes com escova adequada após as principais refeições (Foto: Torli Roberts/FreeImages)
Você prefere ouvir essa matéria?

Especialista em ortodontia, a dentista Paloma Grazziottin explica que a cavidade oral abriga mais de setecentos tipos de micro-organismos. Em uma pessoa com saúde bucal satisfatória, esses micro-organismos coexistem de forma equilibrada sem causar danos. Já nas pessoas com má higienização, o acúmulo de resíduos alimentares sobre a superfície dos dentes ou próteses forma a placa bacteriana, propiciando a ocorrência de danos nas estruturas de suporte ao redor do dente e provocando a Doença Periodontal ou a desmineralização da estrutura dentária (cárie). Esta condição pode favorecer, ainda, a entrada de micro-organismos na corrente sanguínea, causando diversos tipos de agravos, como infecções no coração, em próteses articulares e a indução ao parto prematuro. Também pode ser responsável por aumentar a resistência à insulina, piorando assim o controle glicêmico em pacientes diabéticos. Dessa forma, é imprescindível manter uma excelente higienização dos dentes com escova adequada após as principais refeições, complementada com o uso do fio dental e outros acessórios (creme e escova dental, fita interdental e colutórios). Além disso, todos devem realizar consultas frequentes com um dentista, a fim de manter íntegra a saúde bucal.


Enxaguante bucal 

O controle químico da placa através de enxaguantes como, por exemplo a clorexidina, jamais pode substituir o controle mecânico da placa/biofilme. Salvo casos onde seu uso é por curto período de tempo e o paciente não consegue realizar uma escovação satisfatória. Sendo que nesses casos o paciente deve optar sempre por um enxaguante sem álcool, tendo em vista que o álcool traz malefícios como o ressecamento das mucosas. O controle mecânico da placa, esse sim, deve substituir o controle químico. Enxaguantes atuam, não apenas nos dentes, mas também em toda a mucosa, gerando um desequilíbrio nos micro-organismos que não deveria permanecer por muito tempo. O ideal, mas o que infelizmente não é a nossa realidade, é que apenas alguns grupos de pacientes recebam a indicação ao uso dos enxaguantes, como por exemplo, pacientes que estão em tratamento ortodôntico. O aparelho fixo tende a facilitar o acúmulo de placa ao redor dos braquetes e tubos, assim, o uso de enxaguantes e escovas interdentais é indispensável para auxiliar na remoção e controle de placa bacteriana ao redor das peças.


Avaliação ortodôntica 

A recomendação das associações de ortodontia é que a primeira avaliação ortodôntica aconteça entre o 5 e 7 anos de idade, ou assim que erupcionados os primeiros dentes permanentes. A partir dessa avaliação realizada pelo dentista, é possível realizar um diagnóstico precoce em relação à má-oclusão (mau posicionamento dentário). Nessa faixa etária, recomenda-se o uso de dispositivos que atuam na estrutura óssea e muscular da arcada, conhecidos como aparelhos ortopédicos. Os aparelhos ortopédicos atuam sobre crescimento dos ossos e seu desenvolvimento, criando espaços para o alinhamento dos dentes na arcada. A partir dos 12 anos de idade, ou antes, variando de pessoa para pessoa, após a troca dos dentes decíduos, pelos dentes permanentes, e calcificação dos ossos, que geralmente se recomenda o uso de aparelho ortodôntico fixo, os quais realizam especialmente a movimentação dentária por remodelação óssea, não atuando no crescimento. Vale lembrar que não existe um limite de idade para o uso do aparelho fixo para a correção da má-oclusão como se pensava antigamente.


Clareamento dental

Muitos pacientes têm vontade de fazer clareamento dental, mas acabam optando por não fazer devido à crença que deveriam parar totalmente de ingerir bebidas como café, vinho e refrigerantes. Já faz alguns anos que a literatura nos mostra que o poder de remineralização da saliva atua como uma barreira impedindo a penetração de pigmentos na superfície dental. Independente o tipo de clareamento, caseiro ou de consultório, o paciente não precisa mudar sua dieta. Estudos afirmam que o manchamento durante o clareamento pode ser evitado pelo contato prolongado do dente com a saliva, que tem capacidade de reverter a perda mineral e porosidade do esmalte causados pelo clareamento.

Gostou? Compartilhe