Conexão por fibra óptica abrange 33,1% das famílias residentes na zona rural

Região de Pulador, no interior de Passo Fundo, será a próxima a receber rede de internet

Por
· 4 min de leitura
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

Acompanhar as aulas remotas era um verdadeiro desafio para a jovem Milena Lermen, 14 anos. Moradora da localidade de São Roque, interior de Passo Fundo, e matriculada na Escola Estadual Nicolau Araújo Vergueiro (EENAV), centro da cidade, ela chegou a perder uma semana inteira de conteúdo por falta de uma conexão de internet com qualidade.

“Nossa conexão aqui era via rádio. O sinal era muito ruim. Quando chovia, ou muita gente usava ao mesmo tempo, ficava lenta e acabava caindo. Acontecia seguido no meio da aula. Na primeira semana não pude acompanhar por causa desse problema”, afirma. A irmã mais nova, Brenda, de oito anos, também reclamava da conexão. “Não conseguia nem mandar meus temas para a escola”.

O problema enfrentado pelos Lemen e por mais de mil famílias de outras 18 distritos do interior de Passo Fundo está resolvido. Na primeira fase do Programa Campo Conectado, desenvolvido pela Prefeitura de Passo Fundo, foram instalados 221 quilômetros de rede de fibra óptica conectando o meio rural com uma internet de qualidade.

Vencedora do processo licitatório realizado pelo Executivo de Passo Fundo no ano passado, a Coprel assumiu a concessão e iniciou as obras de instalação da rede em 23 de fevereiro. O primeiro sinal de internet foi liberado no dia 16 de abril, no distrito de Santo Antônio do Capinzal, na residência da família Polo. Nos últimos cinco meses, desde o lançamento do programa, 33,1% das famílias residentes nas áreas interioranas já conseguem acessar os dispositivos com uma conexão mais rápida. Isso representa 300 domicílios com o cabeamento e uma conectividade estável, “O sinal de internet no interior faz com que a área rural tenha os mesmos benefícios ou as mesmas possibilidades do meio urbano. O agricultor terá, dentro do conforto do seu lar, o acesso ao mundo”, considerou o secretário municipal do Interior, Cristiam Thans. 

Ainda em fase de planejamento, a quarta etapa de instalação da fibra óptica prevista para este segundo semestre, explicou Thans, deve ampliar a conectividade no distrito de Pulador, em uma zona de Bom Recreio e Bela Vista. “Estamos preparando a licitação para a compra dos materiais”, afirmou o secretário ao pontuar que, até o momento, foi investido R$ 1 milhão no programa. “Esta quarta etapa está estimada em R$ 600 mil reais. A Prefeitura está subsidiando a compra dos materiais e a concessionária entra com a instalação dos pontos de internet”, mencionou.

O trabalho de cabeamento foi dividido por regiões em três fases: a primeira foi justamente a região do distrito de Capinzal. A segunda fase incluiu os distritos de São Roque, São Valentim, São Brás e São José. Na terceira fase, a rede se estendeu para as localidades de Bom Recreio, Santa Gema, Santo Antão, e Bom Recreio, sentido Ernestina.

Conforme o secretário, em razão da amplitude e modelo, o programa orçado em R$ 3,5 milhões precisou ser dividido conforme a capacidade financeira da prefeitura e as zonas geográficas considerando o total de famílias residentes. Sobre a liberação do primeiro sinal, o secretário definiu como ‘revolucionário’ na vida dos moradores. “É emocionante a reação dos pais em saber que os filhos poderão acompanhar as aulas sem o problema das frequentes quedas de sinal. Fazer uma pesquisa, assistir TV, e tantas outras ações. Estamos levando as mesmas condições de conectividade da cidade para o interior”, observou.


Chave para o futuro

Pesquisas apontam que a sucessão no campo, com os filhos assumindo o protagonismo dos pais, depende de três fatores básicos: ter uma atividade que seja rentável, espaço para trabalhar, e uma internet de boa qualidade. “A conexão é como se fosse uma ferramenta, uma chave para o futuro. Sentimos isso na cidade e no interior não é diferente. Nas nossas reuniões, a primeira reivindicação das famílias do campo é uma conexão de boa qualidade”, afirma o presidente da Coprel, Jaime Stefanello.

Segundo ele, a cobrança faz todo o sentido porque a ferramenta vai representar um divisor na vida dessas famílias. “Vamos pensar uma agricultura 4.0, por exemplo, tem que passar pela fibra. A automatização dos aviários, um tambo de leite, um graneleiro. A questão da segurança com instalação de câmeras de videomonitoramento. Na educação. Não se pode pensar em jovem não conectado”, ressaltou. 

Ao vencer a licitação, a Coprel assumiu o compromisso de estender a rede, fornecer o sinal, captar os clientes e manter o serviço. Para fazer monitoramento, dispõe de um centro de operações equipado com um data center instalado em Passo Fundo e outro no município de Ibirubá. A instalação ou não da internet é decisão individual de cada família, assim como o plano, que será o mesmo disponível na área urbana.


Parceiro

A discussão sobre a instalação de uma internet de qualidade na área rural de Passo Fundo vinha sendo desenhada desde 2019 e teve a participação de um terceiro ator, não menos importante nesse processo: a Sicredi. Conhecedor da realidade no campo, o presidente, Ari Rosso, fez o elo com o então prefeito Luciano Azevedo para apresentação do Programa.

“Sempre que me encontrava com o Stefanello comentava sobre a possibilidade de uma internet de qualidade no interior, até que num almoço, durante a Expodireto, ele falou da fibra óptica. Passamos a fazer reuniões em todos os distritos do município. Apresentamos a proposta aos moradores, mas em razão dos altos custos, acabamos não indo adiante”, lembrou Roso.


Distritos incluídos na primeira fase do Programa

São João da Bela Vista, Vila Colussi, Capão Bonito, São Roque, São Brás, São José, São Valentin, Vila Rosso, Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora da Paz, São Pedro, Roselândia, Santo Antônio do Capinzal, Santa Gema, Capinzal, Santo Antão, Bom Recreio e São Miguel.


Gostou? Compartilhe